O setor de turismo abalado perante a pandemia

Em tempos de quarentena e isolamento social, um dos setores mais afetados pela pandemia é o turismo. Como alguns países adotaram o lockdown completo e fecharam suas fronteiras, a dúvida se o consumidor deve adiar ou cancelar a viagem tão esperada se tornou pertinente. Além do possível cancelamento das viagens, passagens e hospedagens já adquiridas pelos consumidores, a preocupação reside também na perda das milhas acumuladas para o passeio que ainda não saiu do papel.

A advogada Sabrina Marcolli Rui. Crédito – Divulgação..

A fim de minimizar os prejuízos suportados pelos consumidores e incentivar o aquecimento futuro do setor de turismo, diversos programas de fidelidade estão estendendo seus prazos para o uso de pontos. Com o futuro incerto em relação as viagens aéreas, um casal que havia comprado um pacote de viagem para este mês de maio decidiu cancelar diante da pandemia, foi pedido a devolução do dinheiro à companhia, entretanto a corporação apresentou que não poderia devolver o valor e ofereceu ao casal a oportunidade da viagem ser remarcada.

O casal decidiu que não gostaria de remarcar a viagem, pois ela tinha um propósito que já havia passado. Então eles entraram com uma ação no juizado especial requerendo seus direitos, e ganharam. A advogada Sabrina Marcolli Rui explica: “O juiz entende que como o consumidor não deu causa, ele tem o direito a ser ressarcido. Entretanto, em razão da pandemia, é necessário se ter um olhar para as companhias também, que não podem ser obrigadas a devolver o dinheiro em uma parcela só, já que a crise afeta todos”. Ressalta que, antes do COVID-19, se o consumidor entrasse com uma ação pedindo a devolução do dinheiro, este processo deveria ser realizado de imediato.

Este momento, com certeza, mudará a forma como as empresas operam. Muitos detalhes precisam ser analisados para que não ocorra incidências de ilegalidades.Se atendo ao lado das companhias, mesmo com as aeronaves paradas no aeroporto, elas necessitam de manutenção regular, e de profissionais devidamente capacitados para realizar os ajustes. Aos consumidores, muitos utilizaram o dinheiro devolvido das viagens para quitar as dívidas que a quarentena fez surgir. A advogada diz ainda ser essencial o bom senso ao olhar por ambas as partes, e que a negociação pode ser a melhor opção neste momento, mesmo que não esteja claro o futuro.

Serviço: Dra. Sabrina Marcolli Rui
Advogada em direito tributário e imobiliário
www.sr.adv.br
SR Advogados Associados
@sradvogadosassociados
@sradvassociados
(41) 3077-6474
Rua Riachuelo, nº 102 – 20º andar – sala 202, centro – Curitiba.