Músicos curitibanos fazem colab em homenagem ao Sepultura

O mundo muda, novas sonoridades aparecem, mas o metal se reinventa. A música pesada que crescemos ouvindo e gostaríamos que nossos filhos, alunos ou irmãos mais novos ouçam permanece. A vocalista Isa Roddy é um exemplo disso, sua história com a música começa antes mesmo da fala. Vinda de uma família de músicos, seguiu os passos da mãe, Julcy Rodrigues, que já representava a cena underground no Paraná. Sendo assim, foi fácil carregar o legado. A ideia de montar um time de peso para essa ação especial veio dela. A banda escolhida pode não, necessariamente, ter essa relação de pais e filhos em sua formação, porém, é inegável que o Sepultura faz parte da vida de todos os metalheads do Brasil, do mais velho ao mais novo, servindo de inspiração ao levar o nome do país além das fronteiras.

Tati Klingel. Crédito – Melissa Giowanella.

A música escolhida para o projeto foi “Fear, Pain, Chaos, Suffering” do álbum Quadra, o último lançamento dos heróis do metal brasileiro. “Quando ouvi o mais recente álbum do Sepultura e me deparei com a última faixa do disco, “Fear, Pain, Chaos, Suffering” que contou com a participação da Emmily Barreto, vocalista do Far From Alaska, me surpreendi. Achei que o Sepultura inovou muito colocando um “vocal clean” feminino para contrastar com o growl de Derrick Green, então quando comecei a ouvir mais vezes, já estava cantarolando. Assim, surgiu a ideia de fazer um cover colaborativo dela”, conta Isa, que chamou sua professora de vocal gutural, Tati Klingel, para cantar as partes mais agressivas.

Isa Roddy. Crédito – Paulo Viana.

Tati Klingel é referência no ensino de vocal gutural no Brasil e relembra a influência que o Sepultura teve em sua formação musical: “Quando penso no Sepultura sempre me vem a ideia de que essa banda levou o death/thrash brasileiro para o mundo, além de ser umas das primeiras bandas com berros que ouvi na minha iniciação ao metal extremo. É uma banda com muita história e que, álbum após álbum, demonstra uma evolução técnica incrível. Interpretar o vocal do Derrick Green é um grande desafio, pois ele não é apenas técnico, mas consegue colocar um ódio na voz que faz qualquer ouvinte querer bater cabeça. Sinto-me honrada em interpretar “Fear, Pain, Chaos, Suffering” ao lado desses músicos da cena curitibana, uma vez que cada um deles contribui muito para a cena. Não hesitaria em fazer mais covers com eles. Dia 13 marca o Dia Mundial do Rock aqui no Brasil, e para mim, poder lançar um vídeo interpretando uma das maiores bandas de metal daqui é uma grande conquista, não apenas pessoal, mas também social, por ser mulher. Nós, mulheres, também podemos apreciar um bom berro”.

O guitarrista Kevin Vieira (Exylle e ShärpCläw), o baterista Johan Wodzynski (Murder Me Slowly, Valley of Time e Fortell) e o baixista romeno Valentin Seciu (Paragon Collapse), completam a superbanda. A mixagem ficou por conta de Yamato. Link: https://youtu.be/CwjkVMTWmxo

Ficha técnica:
Tati Klingel (@tatiklingel): curitibana, vocais guturais, bandas Hokmoth e Divine Pain Isa Roddy (@isaroddy): curitibana, vocais limpos Kevin Vieira (@kevin_vieira6): curitibano, guitarrista, bandas Exylle e ShärpCläw. Johan Wodzynski (@johan.wodzynski): curitibano, baterista, bandas Murder Me Slowly, Valley of Time e Fortell.
Valentin Seciu: romeno, baixista, banda Paragon Collapse. Mixagem: Yamato