MON realiza exposição de arte africana com peças recém-incorporadas ao seu acervo

A exposição África, Expressões Artísticas de um Continente, realizada pelo Museu Oscar Niemeyer (MON), apresentada pela Copel e viabilizada pelo Governo do Estado, poderá ser vista pelo público a partir de 31 de agosto, na Sala 4. É um recorte da grandiosa doação feita pela Coleção Ivani e Jorge Yunes (CIJY) ao MON.

Crédito – Dico Kremer.

São aproximadamente 1.700 obras de uma das mais importantes e significativas coleções de objetos de arte africana do século 20, que passam a pertencer ao acervo do Museu Oscar Niemeyer e, consequentemente, ao Estado do Paraná.

A superintendente-geral da Cultura, Luciana Casagrande Pereira, comemora a incorporação do conjunto de obras como mais um marco para o MON. “É um grande privilégio para o Paraná receber um acervo tão representativo da arte africana. Além de fortalecer a importância do MON enquanto depositário de grandes coleções, mostra o olhar sensível da curadoria para a arte indistinta, ampla e diversa”, afirma Luciana.

Crédito – Dico Kremer.

“A vinda da coleção de arte africana é parte de um processo de consolidação do marco referencial do MON, que estabelece como diferencial da instituição prioritariamente colecionar arte paranaense e brasileira e expandir seu olhar não eurocêntrico para a arte latino-americana, asiática e africana”, explica a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika. “Buscamos incessantemente incrementar o acervo, pois aí está a alma de um museu, a sua essência”, comenta.

Juliana lembra que, em 2018, o MON foi o museu escolhido por suas condições técnicas, capacidade de gestão e credibilidade da instituição a receber uma doação de quase 3 mil obras de arte asiática. Doadas pelo diplomata e professor Fausto Godoy e oriundas de vários países daquele continente, parte das obras pode ser visitada no MON na mostra “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses”, na Sala 5.

Maior museu de arte da América Latina em área construída, com 35 mil metros quadrados, o MON triplicou o seu acervo nos últimos anos. Desde que foi inaugurado, em 2002, e até 2015, o MON contava com cerca de 3 mil obras. Atualmente, possui mais de 9.300 obras em seu acervo.

MOSTRA AFRICANA – Segundo Renato Araújo da Silva, curador da exposição África, Expressões Artísticas de um Continente, as obras doadas ao MON foram adquiridas ao longo de mais de 50 anos pelo casal Ivani e Jorge Yunes, detentores de uma das maiores coleções de arte do Brasil.

Crédito – Dico Kremer.

“Com a exposição de objetos de heranças culturais tão distintas, encontramos aqui um importante ponto em comum: dentro do Museu, essas artes são elevadas a uma mesma plataforma artística, igualando a arte africana ao patamar da arte mundial”, diz. “Eis uma maneira de honrar a ancestralidade visual do passado e de abrir os novos plantios, rotas e perspectivas dessa arte no futuro”, comenta Renato.

Fazem parte da exposição máscaras, esculturas, bustos e cabeças de bronze, miniaturas metálicas, objetos do cotidiano e instrumentos musicais. As obras têm origem em países como Costa do Marfim, Mali, Nigéria, Camarões, Gabão, Angola, República Democrática do Congo e Moçambique, entre outros.

Renato Araújo da Silva é historiador em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP) e coautor, entre outros trabalhos publicados, do livro África em Artes. Curador e pesquisador, atuou no Museu Afro e realizou outras exposições em museus, como o de Arte Sacra de São Paulo.

Serviço
“África, Expressões Artísticas de um Continente”
Sala 4
A partir de 31 de agosto
Visitação: terça-feira a domingo, das 10h às 18h
Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999 – Curitiba