Filme curitibano “Coração de Neon” conquista premiação máxima no WorlFest Houston

Quem diria que uma produção inteiramente feita no bairro Boqueirão, em Curitiba, ia conquistar um prêmio já na sua estreia internacional nas telonas. “Coração de Neon”, produzido por Lucas Estevan Soares e Rhaissa Gonçalves, conquistou na noite deste sábado (23 de abril) o Remi Special Jury Award (Prêmio Especial do Júri) do 55º WorldFest Houston, realizado no Cinemark Memorial City, em Houston, no estado do Texas (EUA).

Hunter Todd, dono do WorldFest Houston, e Lucas Estevan Soares, produtor do Coração de Neon. Crédito – Divulgação.

O festival anual, que já revelou nomes como Steven Spielberg e Ang Lee, tem a vocação de revelar e validar a excelência criativa na produção independente de filmes de longa metragem, documentários e curtas-metragens. E “Coração de Neon” atravessou as diversas etapas de classificação.

Em 2022, o WorldFest recebeu quase 5 mil inscrições, de produções vindas do mundo todo. Pouco menos de 80 longas-metragens e cerca de 130 curtas foram selecionados para exibição aos jurados e público em geral. As melhores produções concorrem à premiação Remi, na seguinte ordem decrescente, que depende da pontuação dada pelos jurados:
• The Grand Remi Statuette, the Best of Show
• The Remi Special Jury Award
• The Remi Platinum Jury Award
• The Remi Gold Jury Award
• The Remi Silver Jury Award
• The Remi Bronze Jury Award
• The WorldFest Liftoff Prize for use of NASA footage

A produtora Rhaissa Gonçalves com o Remi Special Juri Award. Crédito – Divulgação.

“Coração de Neon” já desembarcou no Texas (EUA) concorrendo a um Remi Award. Mas a surpresa veio com a conquista do The Remi Special Jury Award, uma das mais altas pontuações pela qualidade da produção e da narrativa. Remi Award é uma referência e homenagem a Frederic Remington, que foi pintor, ilustrador, escultor e escritor americano especializado em representações do Velho Oeste americano.

Primeiro com Dolby Atmos
“Coração de Neon” traz um marco histórico para o cinema nacional. É o primeiro filme brasileiro a ter a tecnologia de som imersivo Dolby Atmos 9.1. O Brasil já tem cerca de 40 salas de cinemas preparadas com a tecnologia. No entanto, apenas filmes estrangeiros exibidos no país tinham o som imersivo Dolby Atmos.

O surround leva o som de forma horizontal ao espectador. Já o Dolby Atmos é uma evolução do surround, pois coloca o espectador dentro de um “bolha”, com o som vindo de absolutamente todos os lados da sala de cinema. Se o filme tem um objeto caindo ao chão, por exemplo, o som virá do chão do cinema. Se o barulho é de um avião no céu, o som virá do teto da sala. Assim, o espectador sente como se estivesse dentro da cena, lado a lado com os personagens, trazendo mais emoção e realismo a quem assiste.

De malas prontas
O WorldFest Houston iniciou na quarta-feira (20) e encerra neste domingo (24). Agora, com o troféu em mãos, os produtores Lucas e Rhaissa levam o “Coração de Neon” para o 24º Festival Internacional de Cinema RiverRun, que iniciou na quinta-feira (21) e vai até 30 de abril em Winston-Salem, no estado da Carolina do Norte (EUA). Ainda estão previstas participações no Marché du Film no Festival de Cannes, na França; no Carmarthen Bay Film Festival, no País de Gales; em São Francisco, no Vale do Silício; no Festival Cinequest; no Festival Lift-Off em Tóquio; entre outros festivais internacionais.
“Coração de Neon” tem estreia prevista no Brasil em dezembro.