Teatro Secalhar apresenta Cripta

A partir do dia primeiro de dezembro o grupo Teatro Secalhar apresenta seu trabalho audiovisual Cripta. As exibições são realizadas de forma online até o dia cinco de dezembro sempre às 19h na plataforma Zoom. Em cada dia do evento, acontece um bate-papo com a equipe criativa após a exibição do trabalho. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados no site teatrosecalhar.com

Crédito – Eduardo Camargo.

Cripta é o terceiro trabalho do grupo, desenvolvido a partir da continuidade das pesquisas com os temas guerra e gênero, que haviam sido investigados na obra Tanya: experimento para um encontro (2020). Agora, soma-se a isso também a casa, o espaço doméstico, entendido, aqui, como lugar de refúgio e de convivência.

Com o avanço da pandemia – que trouxe a demanda de, novamente, não apresentar um espetáculo presencial – o grupo optou por aprofundar sua relação com a linguagem audiovisual, buscando, nessa mídia, desdobramentos possíveis dentro do universo do trabalho anterior.

Crédito – Jade Giaxa.

Em agosto, o grupo ocupou uma casa em Colombo-PR, dentro da qual foram realizadas quatro lives de experimentação e, posteriormente, as gravações do filme. Daí, seguiu-se a edição-construção da obra pensando a ritualística cotidiana própria da existência de quatro figuras dentro desse lar.

Segundo Vinícius Medeiros, dramaturgo de CRIPTA, ao longo da criação, o grupo percebeu que Tanya os levou a falar sobre as relações afetivas com a família, a infância, a morte e a religiosidade. ” A casa surgiu, portanto, enquanto ambiente central da investigação dessas questões. É importante também dizer que a decisão de situar a obra dentro de uma casa se deu ainda pelo contato com esse espaço como local de abrigo, isolamento e memória no momento de pandemia”, finaliza o dramaturgo.

O trabalho foi viabilizado pelo Mecenato Subsidiado, modalidade Iniciante, da Fundação Cultural de Curitiba através do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, tendo sido aprovado no edital de 2019. A estreia ocorrerá em Dezembro de 2021, via Zoom.

Crédito – Eduardo Camargo.

Além das apresentações, o grupo propõe a Oficina de Invenções Distraídas, ministrada por Francisco Gaspar e Caio Monzak.

Sinopse

Quem vem cá, que entre consigo, carregando as velhas sempre novas casas de si. Pelos pisos e paredes da vida agora comum se achegam os fins das muitas moradas. Quando, então, ao sumir o último sol, formos terra, água, fogo e ar, nos encontraremos para as boas-vindas de quem já partiu – e que hoje volta a partir.

Quando

01 a 05 de dezembro às 19h
Gratuito

Em cada dia de evento haverá uma interlocução com a equipe criativa após a exibição.

01/12 – Interlocução 1 – O Modo Operativo AND nos processos de criação da TEATRO SECALHAR com Francisco Gaspar Neto e Milene Duenha;
02/12 – Interlocução 2 – Bate-papo com TEATRO SECALHAR;
03/12 – Interlocução 3 – Dramaturgia, figurino e direção de arte com Vinicius Medeiros, Fernanda Peyerl e Rafael Rodrigues;
04/12 – Interlocução 4 – Iluminação, com Nadia Luciani e Vini Sant;
05/12 – Interlocução 5 – Audiovisual, com Eduardo Camargo e Renan Gumiel

Do dia 06 a 09 de dezembro será ministrada a oficina de invenções distraídas com Caio Monczak e Francisco Gaspar Neto.

Oficina

A oficina de invenções distraídas se situa na questão “como redispor a casa para reanimar o movimento?” para propor a invenção de situações e objetos através da desprogramação / reprogramação dos dispositivos reguladores da habitação. Pretendemos nos nossos encontros subverter as disposições habituais e hierárquicas dos corpos que coabitam os ambientes em que vivemos para constituir novos mapas sensíveis entre corpos-gente, corpos-mobília, corpos-imagens. Trata-se de um convite a experimentar a subversão das lógicas consagradas de dispor a mobília, ordenar os encontros e controlar os movimentos. É um convite também à invenção de novos modos de existir no espaço comum a partir do incomum já compartilhado. Para isso, vamos trabalhar as imagens produzidas no espetáculo Cripta da TEATRO SECALHAR conjugados a elementos da prática de Arrumação, estratégia de invenção coletiva e convivência que se estabelece na redisposição dos nossos mapas subjetivos através da experimentação conjunta da composição dos corpos nos espaços.